Dr Eduardo Adnet


Médico Psiquiatra e Nutrólogo

As Pressões do dia a dia e o Adoecimento Psíquico

Insegurança, Ansiedade e Medo

Quando trabalhei exercendo a medicina em território europeu, em uma certa ocasião um indivíduo de cerca de cinquenta anos, o qual ocupava um importante cargo de direção em uma grande empresa européia, compareceu para uma consulta apresentando uma atitude demasiadamente rígida, desconfiada e exageradamente defensiva. Chegava a aparentar um grau de hostilidade inadequada àquele momento. Porém, devido ao seu aspecto, comportamento, tom de voz, linguagem não verbal, uma sudorese aparentemente não justificada, tremores nas mãos e nos músculos da face, um olhar arregalado e a fala engasgada, logo percebi que havia a necessidade de prestar-lhe uma atenção mais urgente.

Sua inquietação e aflição eram indisfarçáveis. Já pelo final da consulta, como que desejando abrir uma brecha em suas próprias defesas, o paciente fez algumas perguntas de modo mais cortez. Após uma breve conversa, não muito descontraída, ele passou a adotar uma postura diferente, em uma atitude agora já bem mais solícita, passando a se queixar das pressões psicológicas que vinha sistematicamente sofrendo em seu ambiente de trabalho.

A consulta poderia ter terminado ali com uma frase do tipo “as coisas não estão fáceis mesmo!”. Porém, a conversa prosseguiu até que aquele homem abandonou seu comportamento (atitude) defensivo e passou a expor seus muitos problemas e suas muitas preocupações pessoais e íntimas. Estava preso a dívidas, sofrendo pressões enormes no trabalho e estava muito amedrontado com a possibilidade de perder seu confortável estilo de vida, mantido a duras penas. Era notável, todavia, seu esforço em procurar não deixar transparecer o que lhe ocorria no íntimo.

O momento mais interessante e também comovente daquela avaliação médica se deu quando ele passou a afirmar, em tom de lamentação, que já não poderia mais suportar tantas pressões por muito mais tempo.

Momentos assim devem ser aproveitados com muita atenção a fim de darmos a nossa colaboração técnica e humana a essas pessoas que sofrem caladas sem saber exatamente o que fazer e como proceder diante de tantas e diversas pressões. E não poucas delas estão psíquica e afetivamente muito mais enfermas do que aparentam.

Pessoas em situações semelhantes a daquele indivíduo podem vir a desenvolver quadros muito variados e mesclados envolvendo diferentes transtornos psiquiátricos, quando já não os desenvolveram e disto sequer se deram conta. Porém, ao podermos detectar as causas desencadeantes do adoecer psíquico, já temos pelo menos meio caminho andado rumo a um diagnóstico correto e a um tratamento adequado.

Se observarmos, atentamente, casos como o relatado acima, poderemos identificar o componente do medo e da insegurança impregnando o ambiente mental dessas pessoas e em não poucas vezes levando-as a adoecer. Uma avaliação psiquiátrica precisa tem, obrigatoriamente, que levar em conta diversos detalhamentos do ambiente no qual o indivíduo se encontra inserido.
Não é, portanto, sem razão que a insegurança e o medo se constituem em fatores desencadeantes, ou mesmo responsáveis pelo adoecer psíquico em diversas situações.

 


Algumas Características de Insegurança Interior

Muitas pessoas inseguras manifestam uma ou mais das características listadas abaixo:

1-Sentimento de desesperança diante de problemas, conflitos e preocupações.

2-Sensação de não ser capaz o suficiente para enfrentar e resolver os problemas da vida.

3-Sensação de estar sempre escalando uma montanha sem nunca conseguir chegar ao topo.

4-Sensação de falta de apoio no lar, na vizinhança, no trabalho, entre os amigos.

5-Sensações e medos frequentes de desaprovação e de rejeição e de críticas negativas.

6-Falta de direção, dificuldade de estabelecer metas e de cumpri-las.

7-Sentimento de estar sempre “desenturmada”, “deslocada” ou se sentindo estranha mesmo nos grupos sociais nos quais convive.

Uma vez estabilizada a pessoa com a ajuda de um tratamento bem conduzido, é sempre importante detectar os fatores desencadeantes tanto do sofrimento como do adoecer mental. E uma vez identificados esses fatores, o melhor a fazer é buscar administrá-los bem e, quando possível, livrar-se deles, e o quanto antes.

 

Dr Eduardo Adnet

Médico Psiquiatra e Nutrólogo